Conecte-se conosco

Saúde

Controladoria-Geral da União multa empresa responsável pela vacina Covaxin em R$ 3,8 milhões por suposta fraude

Publicado em

em

Caso, que envolveu contrato de R$ 1,6 bilhão com o Ministério da Saúde, foi destaque na CPI da Pandemia em 2021

A CGU (Controladoria-Geral da União) multou a empresa Precisa Medicamentos, responsável pela venda da vacina Covaxin, em R$ 3,8 milhões por supostas irregularidades no processo de contratação pelo governo brasileiro.

Em 2021, o Ministério da Saúde iniciou um contrato com a empresa, com dispensa de licitação, para a aquisição de 20 milhões de doses da vacina contra a Covid-19. A Precisa Medicamentos atuava como ponte entre a Bharat Biotech, produtora do imunizante, e a pasta.

A compra, com previsão de pagamento de R$ 1,6 bilhão, foi suspensa pela CGU, que apontou contratação de valor muito alto com possível ocorrência de irregularidades.

Na época, o caso foi alvo da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Pandemia, que chegou a derrubar o sigilo de documentos da compra da vacina e colher depoimentos de pessoas envolvidas.

Com a decisão de multar a empresa, a CGU afirmou que a Precisa Medicamentos apresentou documentos com montagens, tradução indevida e uma procuração forjada no processo.

“Além disso, a empresa entregou uma carta de fiança falsa e fraudou contrato mediante a apresentação de faturas com informações de cobrança em desacordo com os termos pactuados”, apontou.

A determinação foi publicada no Diário Oficial da União na segunda-feira (15). Além da multa, a empresa foi declarada inidônea, ou seja, impedida de realizar licitações com o governo brasileiro até que passe por processo de reabilitação.

FONTE: O SUL

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *