Conecte-se conosco

Educação

Governo gaúcho apresenta orientações para escolas estaduais utilizarem recursos do programa “Agiliza Educação”

Publicado em

em

A ação tem como objetivo revitalizar e qualificar a infraestrutura das instituições de ensino para o ano letivo que se inicia em 19 de fevereiro.

O governo do Rio Grande do Sul apresentou, nesta segunda-feira (8), uma live com orientações às 2,3 mil escolas estaduais para a utilização do repasse no valor de R$ 100 milhões do Programa Agiliza Educação.

A ação tem como objetivo revitalizar e qualificar a infraestrutura das instituições de ensino para o ano letivo que se inicia em 19 de fevereiro. O montante inclui R$ 48 milhões do programa Agiliza Educação, valor que é utilizado pelas próprias escolas para contratação direta dos profissionais que realizam as melhorias no ambiente; R$ 15 milhões destinados especificamente para as escolas de Ensino Médio em Tempo Integral qualificarem cozinhas e refeitórios; e R$ 2 milhões direcionados a escolas atingidas por eventos climáticos adversos. Além disso, foi realizado adiantamento de R$ 40 milhões de autonomia financeira referente ao período de janeiro a abril de 2024.

“A educação deve ser o centro da estratégia das políticas públicas. É preciso ter um desenvolvimento sustentável e inclusivo, com geração de oportunidade e qualidade de vida. O Programa Agiliza Educação tem extrema relevância dentro desse contexto, pois aposta na capacidade dos gestores escolares e na mobilização da própria comunidade para dar celeridade às obras”, destacou a secretária da Educação, Raquel Teixeira.

A secretária adjunta de Educação, Stefanie Eskereski, apontou que o programa é um grande impulsionador de melhorias nas escolas estaduais.

“Essa iniciativa dá agilidade, desburocratiza o andamento das obras e movimenta o comércio local das comunidades escolares. Além disso, confere protagonismo ao gestor escolar para que ele escolha qual é a prioridade dentro da sua escola. Afinal, é ele que está na ponta e enxerga as condições da instituição e a real necessidade de intervenção”, disse Stefanie.

FONTE: O SUL

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *